Categorias
entrevistas

As inspirações do autor Rodrigo Tavares

O Rodrigo Tavares é um dos escritores que eu via pelas redes e pensava “imagina se ele vai me dar bola se eu mandar uma mensagem!”. Lembro de meditar se deveria tentar entrar em contato com ele ou não enquanto brincava com a ideia de publicar meu livro. Um dia criei coragem e decidi tentar a sorte: mandei uma mensagem pro Rodrigo pelo Instagram fazendo algumas perguntas sobre a experiência de ser autor independente. Vocês nem imaginam a minha surpresa quando ele não só respondeu, mas foi super simpático e atencioso!

Esse foi o meu primeiro contato com a comunidade de autores e autoras independentes e, logo de cara, percebi o espírito de colaboração que existe entre a galera que se dedica à escrita no Brasil. A partir desse primeiro feedback do Rodrigo, me joguei de corpo e alma na carreira de escritora e sou muito grata a ele não só por esse papo, mas por tudo que sempre compartilha e como continua dividindo sua experiência com sonhadores como eu. Nessa entrevista, espero que também encontre inspiração na jornada do Rodrigo 🙂

Como você se chama e a que se dedica quando não está escrevendo?

Rodrigo Tavares, quando não estou escrevendo sou um bom leitor, além de advogado.

Quando se descobriu escritor?

Muito jovem, descobri o sonho de ser escritor. Até hoje ainda não acredito que consegui realizá-lo.

Sobre o que você escreve? O que te inspira?

Não tenho temas pré-selecionados, mas tenho um compromisso pessoal de escrever histórias que se passem longe do universo das capitais, das grandes cidades e do egocentrismo dos escritores em dificuldade para escrever. O que me inspira é o campo e suas possibilidades.

Como você descreveria o seu estilo de escrita?

Pergunta difícil. Eu gostaria que ele fosse um estilo seco, simples, sem firulas – exatamente o contrário do que se chama de “beletrismo”.

Onde podemos encontrar as suas histórias?

Meus livros estão disponíveis nas principais livrarias, sites das grandes distribuidores e nos sites das editoras Pergamus, Zouk e Taverna.

Quais são as suas principais referências?

Minha maior referência é Érico Veríssimo, ele é um norte a ser seguido – um autor que no século passado fazia o que hoje muitos contemporâneos pensam que estão criando. Porém, cada livro tem seu universo próprio de referências, por exemplo: o “Noite Escura” bebe nas fontes da pulp fiction de Dashiel Hammet, “Andarilhos” no regionalismo de Ricardo Guiraldes e Barbosa Lessa, além do próprio Verissimo, e o “Ainda que a terra se abra” tem como referências autores mais contemporâneos como Daniel Galera, Carol Bensimon e Coetzee.

Como é ser escritor independente?

É um desafio constante, pois não basta pensar apenas no livro, tem que estudar o mercado, saber de marketing, e trabalhar para ser notado.

Quais foram os seus maiores desafios nessa jornada?

Furar a bolha das grandes editoras e conseguir formar um público leitor, sem o apoio de nenhuma grande instituição ou prêmio dando aval.

E as maiores conquistas?

Ser lido. Cada leitor, cada avaliação e cada contato que algum leitor faz comigo são minhas maiores conquistas.

Que escritores nacionais e independentes você admira e recomenda?

André Timm, Davi Koteck, João Nunes, Renata Belmonte, Ivandro Menezes, José Francisco Botelho, Kelli Pedroso, Danielle Sousa.

Quais são as suas 3 dicas de ouro para quem está começando?

Ler muito, compartilhar com leitores beta os textos antes de lançar e investir em publicidade, se possível.

Quais são seus planos para o futuro como autor independente?

Meu plano é o hoje, é estar vivo, é aproveitar o dia, é festejar cada leitor novo que me descobre. Se continuarei independente? Provavelmente, não tenho o perfil que o capitalismo literário vende hoje em dia, portando seguirei investindo em contar boas histórias. Aliás, já estou pesquisando para o próximo livro, que deverá ser um romance histórico.

Por onde o público pode conhecer o seu trabalho?

Existe a Fanpage para o pessoal do Face, mas onde estou sempre é no Instagram.

Por Regiane Folter

Me chamo Regiane, tenho 28 anos e sou natural de São Paulo. Me formei em jornalismo e desde então trabalho com comunicação, principalmente produção de conteúdo e marketing. Tenho uma página no Medium, na qual publico periodicamente desde 2017, além de escrever para outros portais. Recentemente publiquei meu primeiro ebook de histórias curtas, AmoreZ, pela Amazon.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *