Categorias
entrevistas

As conexões da escritora Regiane Folter

Para terminar o ano, nada mais justo do que colocarmos ela, a entrevistadora, na cadeira de entrevistada. A entrevista de hoje é com ninguém menos que Regiane Folter.

Conheci a Regiane quando ela enviou um conto, lindo por sinal, para a primeira edição da Subtextos. Desde então acompanhei de perto o desenvolvimento dela como escritora, tanto aqui colaborando com a Escritor Brasileiro, quanto na preparação do primeiro livro dela.

É muito legal ver as conquistas que Regiane alcançou com muito trabalho, persistência e seus AmoreZ, que foi publicado em Português e Espanhol. Certeza que além de nos trazer muita inspiração em 2021 com as Entrevistas aqui no site, ela também é uma inspiração para todos que desejam se aventurar como escritores independentes.

Como você se chama e a que se dedica quando não está escrevendo?

Me chamo Regiane, tenho 29 anos e além de escritora também trabalho com marketing e comunicação. Me formei em jornalismo e desde 2010 sempre trabalhei com criação de conteúdo. Como podem ver, minha vida profissional sempre girou em torno de contar histórias haha!

Quando se descobriu escritora?

A escrita esteve presente em toda minha vida.
Desde bem novinha criei o hábito de inventar histórias e escrever em caderninhos para lidar com as coisas que eu pensava e sentia. 

Mas acho que só criei coragem pra dizer em voz alta que sou escritora depois da publicação do meu primeiro livro, AmoreZ, em 2020. Antes disso me sentia insegura em me identificar como escritora, achava que ainda faltava algo. Acredito que todo o trabalho de publicar meu livro de forma independente me deu a confiança necessária pra assumir pro mundo que sou, sim, escritora!

Sobre o que você escreve? O que te inspira?

Escrevo sobre minhas vivências, sobre as coisas que vejo no meu dia a dia e como me afetam. O cotidiano é minha maior inspiração, todas essas coisas externas que acontecem na nossa rotina, como trabalhar, ter relacionamentos, etc, e também os movimentos internos que essas atividades geram em nós na forma de pensamentos, emoções, entre outros.

Como você descreveria o seu estilo de escrita?

A maioria dos meus textos são crônicas ou relatos mais introspectivos. Escrevo mais em primeira pessoa, contando a história desde um único ponto de vista, e muitas vezes sinto que meus textos fluem como os pensamentos na nossa mente: ágeis e meio desordenados.

Por quais canais você publica seus textos?

Há anos publico periodicamente na minha página no Medium e contribuo para alguns portais como a Revista Subjetiva e a Fazia Poesia. Em 2020 auto-publiquei AmoreZ, um ebook que traz contos e crônicas sobre as diferentes facetas do amor, que vão de A a Z. Também participei de algumas coletâneas nesses últimos anos, como o Prêmio Off Flip de 2021 e antologias organizadas pela editora Cartola e pela editora Psiu!.

Quais são as suas principais referências?

Acho que sempre levo algo comigo de tudo que leio, então minha principal referência sempre foi a leitura. Ler é uma das melhores ferramentas que temos para desenvolver nossa escrita. 

Alguns autores e autoras que admiro muito e cujo trabalho sempre me impactam são cronistas como Luís Fernando Veríssimo e Aline Valek, poetisas como Rupi Kaur e Cristina Peri Rossi, autoras que falam sobre suas experiências pessoais como Chimamanda Adichie e Camila Sosa Villada, entre outros.

Como é ser escritora independente?

É uma grande montanha-russa! Algumas vezes me sinto muito feliz e orgulhosa de tudo que conquistei, e em outros momentos me sinto desanimada e perdida. O fato de ser independente tem seu lado positivo e negativo. No lado positivo está o controle sobre as decisões e os passos a tomar, já que sou minha própria chefe! Defino o que e como quero fazer, e realizo o que me proponho de acordo com meu próprio tempo e interesse. Por outro lado, toda essa autonomia também pesa porque é preciso ter constância. Se algo dá errado, a culpa é só minha, não tem ninguém pra dividir essa carga. Então é preciso equilibrar os dois sentimentos.

Na minha experiência, também tem sido uma jornada de muito aprendizado e de conexão com pessoas queridas. O tempo todo descubro algo novo, uma forma distinta de melhorar minha escrita, divulgar melhor meu trabalho, usar uma ferramenta mais interessante, etc. E também vou conhecendo novas pessoas nesse caminho, aprendendo delas e percebendo que por mais que me sinta solitária às vezes, outras pessoas também estão passando pelo mesmo. No final das contas, não estou tão sozinha assim.

Quais foram os seus principais desafios nessa jornada?

A gestão do tempo é com certeza o maior desafio que ainda estou enfrentando. Gostaria de ter muito mais tempo no meu dia pra poder me dedicar a divulgar AmoreZ e escrever novas histórias, mas infelizmente preciso equilibrar esse projeto com meu trabalho formal e os demais aspectos da nossa vida, que também são importantes. Aceitar que só temos 24 horas em um dia e dar o meu melhor no tempo que tenho são grandes aprendizados que tive nesses últimos anos.

E as maiores conquistas?

Ver meu livro publicado, tanto em português como em espanhol, foi uma conquista enorme. Um sonho realizado! Além disso, me sinto muito feliz todas as vezes que alguém que leu algo que escrevi entra em contato comigo para dizer como se identificou com aquela história. Saber que consegui chegar no coração de outra pessoa é muito emocionante.

Que escritores nacionais e independentes você admira e recomenda?

Tem muita gente bacana nesse Brasil! Vou recomendar alguns autores e autoras que li esse ano: Mariane Lima, Paula Gomes, Bruno Crispim, Thereza Andrada, Guímel Bilac, Giulianna Domingues e Thaís Campolina. Além desse pessoal, esse ano pude entrevistar a vários outros escritores e escritoras aqui pro Escritor Brasileiro, e recomendo muitíssimo o trabalho de cada um deles, que podem conhecer aqui

Quais são as suas 3 dicas de ouro para quem está começando?

Perseverança, paciência e humildade. Perseverança pra seguir em frente, um dia após o outro, sem desistir. Seja constante com suas ações, não só com o sonho. Pra transformá-lo em realidade é preciso trabalhar duro. Mesmo se você não tiver tanto tempo assim, não desanime! Defina quanto tempo por dia pode se dedicar à escrita e cumpra com essa meta, todos os dias. Aos poucos você vai perceber como essa dedicação te ajuda a melhorar o seu trabalho, conhecer mais pessoas, aparecer pra mais leitores, etc.

E paciência justamente porque as coisas não vão acontecer de um dia pro outro. Celebre as pequenas vitórias e siga em frente, sem se desmotivar. Às vezes você vai receber um “não”, às vezes algo não vai sair como você pensava, e está tudo bem. O importante é continuar caminhando, continuar dando o seu melhor e vendo como os dias de luta fazem tudo valer a pena quando os dias de glória chegarem.

Por último humildade, porque ninguém nasce a escritora best-seller perfeita: sempre se pode aprender algo novo. Abrace o aprendizado contínuo, esteja aberto às críticas e sugestões de outras pessoas e encare cada oportunidade como uma chance de ser melhor no que você ama fazer.

Quais são seus planos para o futuro como autora independente?

Tenho algumas ideias de próximos livros brincando aqui no meu cérebro, mas por enquanto são somente ideias, então espero em 2022 armar um plano para poder concretizá-las. Estou trabalhando atualmente na impressão do meu livro AmoreZ físico no Brasil, espero lançá-lo proximamente! E sigo escrevendo e publicando lá no Medium, faça chuva ou faça sol 🙂

Por onde o público pode conhecer o seu trabalho?

Podem me seguir lá no Medium ou no Instagram. Também estou no Twitter, LinkedIn e até começando no TikTok.

Por Regiane Folter

Me chamo Regiane, tenho 28 anos e sou natural de São Paulo. Me formei em jornalismo e desde então trabalho com comunicação, principalmente produção de conteúdo e marketing. Tenho uma página no Medium, na qual publico periodicamente desde 2017, além de escrever para outros portais. Recentemente publiquei meu primeiro ebook de histórias curtas, AmoreZ, pela Amazon.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *