Categorias
entrevistas

A criatividade contagiosa de J. Blue B.

A primeira vez que tive contato com essa autora foi através do Twitter, uma rede social que não entro muito, mas sempre que passo por lá me surpreendo positivamente. Uma dessas gratas surpresas foi conhecer a J., sua escrita e a forma interessante que ela tem pra divulgar suas histórias.

Comecei a segui-la por lá e pelo Insta também, e desde então sempre que preciso de uma dose extra de inspiração pra pensar em conteúdos e artes para promover o meu trabalho, dou uma passadinha nas redes da Jordana pra ver se me contagio com sua criatividade 😄. Outra coisa que admiro dela é o seu sucesso no Wattpad, uma plataforma que sempre teve um lugarzinho especial no meu coração – li muita fanfic de RBD lá quando era mais jovem😛

Essa entrevista foi uma boa oportunidade para conhecer mais da autora e entender o que a motiva a contar suas histórias e propagá-las por aí.

Como você se chama e a que se dedica quando não está escrevendo?

J. Blue B.  Quando não estou escrevendo também trabalho com livros, atuo na área de Marketing literário dando consultorias e auxiliando autores principalmente independentes ou que querem se lançar no mercado!

Quando se descobriu escritora?

Acho que não houve um momento específico, sempre escrevi, mas acho que o momento em que me dei conta de que pra o mundo eu também era escritora foi quando vi a primeira edição do meu primeiro livro, “Para O Garoto de Daegu”, impressa. Foi como sair do anonimato, já que pessoas próximas a mim nunca souberam que eu escrevia, e vir a público, no começo foi meio chocante porque não dava mais pra esconder, mas acho que agora lido melhor com isso.

Sobre o que você escreve? O que te inspira?

Escrevo sobre o que me senti cativada a escrever. Meus dois livros publicados são New adult, mas eu realmente amo escrever suspense. Poesias também, embora nunca tenha mostrado nada sobre. O que me inspira? Eu diria que praticamente qualquer coisa, desde que eu enxegue com o olhar da escrita, a maioria das minhas histórias surge assim, e não de uma coisa especifica. Vou pegando um pouco de cada coisa do cotidiano.

Como você descreveria o seu estilo de escrita?

Uma conversa. Gosto de criar personagens que conversem com o leitor e façam ele se identificar, como em “Alguns Pássaros Nunca Retornam”. Eu pesquisei muito, conversei com várias pessoas, e com a psicológa Gardênia Pereira para que tudo saisse da forma mais natural e compreensiva para todos que lessem o livro.

Onde podemos encontrar as suas histórias?

Continuo escrevendo para o Wattpad. Todas estão lá, mas posto constantemente no Instagram e trechos no Twitter, recentemente comecei a fazer algum conteúdo para o TikTok, mas ainda estou me adaptando à plataforma!

Quais são as suas principais referências?

Minhas principais referências são a Rupi Kaur e Paulo Coelho, e recentemente Zack Magiezi.

Como é ser escritora independente?

É um tanto difícil, afinal você quem cuida de tudo, mas ao mesmo tempo é muito gratificante, você está sempre próximo ao leitor.

Quais foram os seus maiores desafios nessa jornada?

Meu maior desafio foi lidar com as pessoas conhecidas desconbrindo que eu escrevia. Escrevi pra bastante pessoas na internet, mas nunca pra os próximos. Isso foi realmente difícil.

E as maiores conquistas?

A minha maior conquista, pode parecer bobagem, mas foi confiança no meu trabalho. Realmente gosto do que faço, e isso reflete nas pessoas em volta. Agora, se estamos falando de conquistas físicas, foi alcançar mais de 110k de leituras; ainda acho isso incrível, porque não estou contabilizando as vendas físicas.

Que escritores nacionais e independentes você admira e recomenda?

Zack Magiezi, Thais Dourado e Binha Cibele!

Quais são as suas 3 dicas de ouro para quem está começando?

Investir em marketing, fazer seu marketing pessoal e ter sua própria identidade de escrita. Isso é o que faz a diferença na hora que seu livro vai para o público.

Quais são seus planos para o futuro como autora?

Estou com alguns lançamentos em vista, já agendados. Um novo livro. Mas muito em breve estarei lançando um podcast sobre marketing literário.

Por onde o público pode conhecer o seu trabalho?

Instagram, Twitter e Wattpad.

Por Regiane Folter

Me chamo Regiane, tenho 28 anos e sou natural de São Paulo. Me formei em jornalismo e desde então trabalho com comunicação, principalmente produção de conteúdo e marketing. Tenho uma página no Medium, na qual publico periodicamente desde 2017, além de escrever para outros portais. Recentemente publiquei meu primeiro ebook de histórias curtas, AmoreZ, pela Amazon.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *