Posts mais lidos de 2021

  • Poesia

    Para Manuzinha,quando puder ler Manu, há não muito tempo o sor começou a escrever. Nunca quis ser um escritor, nem acho que eu seja um (ao menos não um bom escritor), mas, há não muito tempo, comecei a escrever de maneira mais organizada.  Fiz algumas oficinas de escrita e ainda as faço. Tenho aprendido aos

    Leia a crônica completa


  • Férias, sagradas férias

    Vim passar uns dias em Maracaípe – vizinha menos badalada de Porto de Galinhas – para me recompensar pelo trabalho estressante das últimas semanas. Aluguei um quartinho com varanda perto da praia, onde, mesmo que chovesse todos os dias, poderia deitar na rede e desfrutar de longas horas de solidão e tranquilidade. Longe das tarefas

    Leia a crônica completa


  • O Bom senso é ser Radical

    Portanto, entre ser a raiz (Radical) e o “Bom senso” (Meio-Termo), prefiro a raiz (Radical), plantada no mesmo chão que as outras raízes, com as mesmas oportunidades de crescer igualitariamente.

    Leia a crônica completa


  • Santos é praia!

    Os santistas que me perdoem. Mas Santos é mais que Santos. É praia! Pelo menos é assim que eu, paulistano da gema, nascido e criado 760 metros acima do nível do mar, enxergo as coisas. Olha, para uma pessoa de cidade sem praia, a praia é meta. É a luz no fim do túnel por

    Leia a crônica completa


  • Entre vizinhos

    A gente vive numa troca contínua de alimentos com o vizinho: — Lu, tu tem três dentes de alho pra me emprestar? — Tenho até mais! Lá vai ele pra cozinha e volta com uma cabeça inteira. — E um tantinho de azeite? Sem o Luciano nossos pestos nunca iriam sair. Depois de preparado, levo

    Leia a crônica completa


  • Você é só mais um

    Antes do fim, vou contar o que eu vivi Um dia são 50 anos e ninguém tem o controle de existir Nasce e morre, sem saber o que está porvir O dinheiro que ganhou, as traições que cultivou, nada disso o fará feliz Muito menos a espiritualidade, a bondade ou a caridade, nenhuma será a

    Leia a crônica completa


  • — Foi a minha terapeuta que mandou!

    Foi o que eu disse aos meus pais. E foi mesmo a minha terapeuta quem havia mandado. Estava eu dois dias antes na poltrona — podia ter escolhido o divã do consultório, mas achei clichê demais para mim — quando a minha terapeuta disparou: — Você tem que se afastar dos seus pais, Guilherme. Ignorá-los

    Leia a crônica completa


  • Eu pensei que livros fossem vacina

    Hoje eu soube que você morreu. Eram 9 horas quando o primeiro amigo em comum me procurou perguntando:  Você ainda fala com o ele?  Não.  Nossa convivência se encerrou há 20 anos. Um relacionamento amoroso, raivoso, intenso, jovem, vivo. Brutal e honesto. Há dez anos, mais? ou menos?, trocamos nossas últimas palavras. Amenas e amigáveis.  Vejo como

    Leia a crônica completa


  • Sobre mesas e armários

    É a minha primeira lembrança. Devo ter uns três, quatro anos. Restaurante, meia-luz, o tilintar de talheres ao encontro com a louça, vozes, risos, cheiro de queijo gratinado e cebola frita no ar, garçons de camisa branca e calça social que se movem ágeis entre as mesas. Numa delas estão sentados meus avós, pais e

    Leia a crônica completa


  • O tempo das coisas.

    Como o homem das canetas me ensinou, sem querer, sobre o tempo das coisas. Às vezes, os planejamentos levam um tempo para se concretizar. Assim como uma ideia. Um amor. Um sonho. Uma pintura. E também um texto. Dizem que pra tudo há seu tempo. E, ao que parece, a vida é assim mesmo. Foi

    Leia a crônica completa


  • Não Era Uma, Escolha, Muito Difícil!

    Por que cargas d’ água repetimos sempre as mesmas atitudes, decisões e acreditamos que o resultado vai ser diferente?

    Leia a crônica completa