Categorias
crônica

Um dicionário sem páginas

Rapidez

substantivo feminino | Ligeireza; qualidade da pessoa rápida, esperta; característica de quem age de modo rápido ou dinâmico: a rapidez do funcionário. Característica do que é rápido, daquilo que está ou se apresenta em grande velocidade: a rapidez do tempo.
Etimologia (origem da palavra rapidez). Rápido + ez. “

É essa definição que um dicionário na internet mostra, instantaneamente, quando escrevo a palavra “rapidez”. Nem o próprio dicionário, talvez, esperasse operar com tanta rapidez ao buscar a palavra rapidez.

Já faz um tempo, baixei um aplicativo de dicionário para o celular. Todas as manhãs, o aplicativo escolhe aleatoriamente(?) uma palavra. Na tela, aparece a mensagem “Palavra do dia”. Ao clicar na palavra escolhida, aparecem as informações: significado, sinônimos, etimologia,…

Estou participando de uma leitura conjunta do romance Pantera no porão, do escritor Amós Oz. Na história narrada, o protagonista (um obcecado por palavras) volta às memórias de sua infância, revisitando sua vida e a fim de entender como uma certa palavra acabou tomando proporção significativa naquele tempo. Quiçá, até alterando seus dias. Ele, ao retomar os acontecimentos da época, procura por todos os significados possíveis – os ditos e não ditos – dessa palavra que marcou lhe marcou. Em algumas passagens do livro, o protagonista faz algo que, na infância, eu fazia com frequência: procurar palavras no dicionário (físico).

Procurar em um dicionário não se tratava apenas de achar um significado para as palavras. Ao procurá-las, embarcava-se em uma viagem, um voo acima das nuvens. Procurar uma palavra era como mergulhar em uma piscina de bolinhas à procura de uma em especial. Com os objetos nas mãos, encontrávamos a letra inicial, a sílaba inicial, corríamos os olhos, pulávamos de uma palavra à outra, mas aquela palavra, onde? A ponta do dedo indicador caminhando pelas páginas, de cima à baixo, os dedos enxergando mais que os olhos. As palavra que pareciam sumir sempre que estávamos perto de encontrá-las. Até que, de súbito, o dedo encontrava. Ali, bem ali. A palavra. A bolinha colorida que, entre tantas, procurava-se na piscina.

E na definição que o dicionário dava, uma outra palavra que não conhecia. A professora aguardando que todos terminassem a atividade. Nós, em nossa busca gostosa pelas palavras. Virando páginas, desbravando espaços desconhecidos, mergulhando fundo na piscina de bolinhas.

Mesmo quando não encontrava uma palavra, a viagem, a busca, a luta para encontrá-la, era prazerosa, uma satisfação, e uma vontade de crescer e se aprimorar na arte de procurar palavras em um dicionários. Cada dicionário, um mundo. Uma miríade de possibilidades. Um tempo depois, inventaram dicionários onde, na lateral, havia um espaço para pôr o dedo indicador, cada espaço mostrava uma letra do alfabeto. Ao colocar o dedo e puxar, já estaríamos na página da letra em questão. As facilidades começando…

No aplicativo-dicionário do celular, não há viagem, não há poesia, não há falhas. Nunca uma palavra não será encontrada. Nunca haverá como se perder nas páginas. É uma piscina de bolinhas sem bolinhas.

Escrevo uma palavra, sua definição aparece como raio na tela. Coloco o dedo em cima de outra palavra, e esta aparece imediatamente, e assim o quanto eu quiser. Infinitamente.

Tudo muito objetivo. Prático  Rápido.

Instantâneo. 

Como parece ser, quase tudo, na contemporaneidade. 

1 resposta em “Um dicionário sem páginas”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *