Categorias
crônica

Mistérios do Brasil

Outro dia estava eu na lotérica para pagar uma multa de trânsito. Enquanto espero na fila, meus olhos passeiam pelos cartazes de propaganda para jogos de sorte ou informações da Caixa. Sorrio involuntariamente ao ver uma simples folha A4, escrita à mão: Perfume feminino. Mega promoção! Não perca essa oportunidade! Peraí! Perfume na lotérica? Isso me lembra do dia em que descobri que as passagens de ônibus se compram na farmácia. Mas essa é outra história… O senhor careca na minha frente, pelo jeito cliente frequente, recolhe suas cartelas, se apoia na bengala e, após um “Até amanhã, linda!” para a atendente, dirige-se lentamente à porta. Me aproximo da janelinha redonda no vidro, passo a carta do Detran com o código de pagamento pela abertura na parte inferior do vidro e abro a carteira. Do outro lado, sem reagir ao meu “boa tarde”, a atendente pega o papel, passa o código embaixo do leitor, olha para a tela do computador e durante um momento para de mastigar seu chiclete:

– Não tem convênio com o Detran.

Não entendo imediatamente que isso quer dizer:
– Ou seja… não dá para pagá-lo aqui?
– Isso. Próximo!

O tal do próximo me expulsa do meu lugar frente à janelinha redonda, e enquanto subo a Dom Luís, não posso deixar de achar aquilo um absurdo. Como assim que a Caixa (a Caixa!) não tem convênio com o Detran (o Detran!)? Sempre paguei todas minhas contas na lotérica; condomínio, luz, cursos, doações – qualquer documento de pagamento, emitido por qualquer empresa ou instituição por minúscula que fosse. Imprimir um documento e pagá-lo na lotérica mais próxima de casa era fácil, rápido e prático. Sobretudo porque em Fortaleza existem quase tantas lotéricas quanto farmácias. E falando em farmácias: na esquina de casa resolvo entrar numa delas para recarregar meu passe de transporte e botar créditos no celular. Enquanto o vendedor digita meu CPF no sistema (nunca entendi essa obsessão com o CPF a toda hora), vou acumulando mais coisas no balcão: uma barra de chocolate, pilhas, uma amostra de biscoitos para gatos e – já que estou aqui – um picolé de graviola. Voltando do freezer pro caixa lembro que na semana passada a luz do quarto queimou.
– Não tem lâmpadas não, né?
O vendedor me olha como se eu fosse de Marte.
– Não, moça. Isto é uma farmácia, não uma loja de eletrônicos.
Pago o chocolate, o picolé, os petiscos para o gato, as pilhas, o passe do ônibus e os créditos de celular e volto à rua, balançando a cabeça.

Mesmo após tanto tempo, o Brasil continua sendo um mistério.

5 respostas em “Mistérios do Brasil”

Bem bacana a crônica! Aqui em São Paulo, eu carregava o meu Bilhete Único em uma loja de DVDs rs. E, outro dia desses, vi uma banca de revistas que vendia prateleiras e prateleiras de salgadinhos e umas cinco ou seis revistas… Realmente, mistérios do Brasil.

O que dizer de Fortalcity, então? Minha Nossa Senhora das Pague Menos, é cada coisa de Brasil que esse Brasil tem. Se é difícil pra gente que nasceu aqui, imagina pra vc!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *