Categorias
crônica

Instruções para entrar em uma loja

Instruções para entrar em uma loja 

Para Artur Telló

Para se entrar em uma loja sem que aconteça ser importunado por um vendedor, certas instruções devem ser seguidas. As instruções, de pronto adianto, resultam inteiramente do conhecimento de base empírica. 

Poder-se-á, na inobservância de qualquer uma das instruções, experimentar perda total ou parcial de parte considerável do patrimônio, e, por conseguinte, na perda da própria identidade.

A lista de pessoas que entram em uma loja sem intenção de comprar e acabam contraindo dívidas exorbitantes, cresceu 36% só no último ano no Brasil. 

Com o presente texto, portanto, o autor espera, minimamente, reduzir tais danos – ou até extingui-los por completo.

das instruções:

  1. Conheça em pormenores o que se vende na loja.
  2. Sabendo-se os itens com os quais a loja trabalha, ainda do lado de fora, elabore mentalmente algum produto que, com absoluta certeza, não há na loja (mas que seria possível de haver, dentro do catálogo de itens).  Exemplo: sendo a loja vendedora de calçados, imagine um modelo específico: all star – amarelo dente de leão – tamanho 42 – cano médio – de plataforma –  edição tal e tal (neste ponto sugere-se inventar uma edição que não existe)
  3. Quanto mais específico o modelo, maior a probabilidade de sucesso.
  4. Será de considerável valia estar preparado a tensionar as especificidades do produto que será apresentado, adicionando mais elementos, caso, por mais esquisito que seja, o vendedor tenha o produto (ou um parecido) procurado. 
  5. Vale lembrar que algumas lojas operam com sistema de comissionamento coletivo. Em geral, nestas, os atendentes não irão atacá-lo como quando comida é jogada na jaula de leões famintos. As instruções terão melhor aproveitamento em lojas que comissionam individualmente seus funcionários.
  6. Finalmente, ao entrar na loja, o faça sempre de cabeça erguida, assegurando um ângulo igual ou superior a 90º entre a linha do pescoço com o queixo. Qualquer angulação, mesmo em poucos graus, menor do que esta, poderá resultar no insucesso 

 * Dica para assegurar a angulação correta: mentalize que se está em uma praia e fixe o olhar na linha do horizonte.

  1. No interior da loja, assim que o vendedor seguir para a abordagem, eis o momento de retomar o passo 2 e 3.
  2. Informe o que procura na loja (o produto extremamente específico do passo 2 e 3). 
  3. Neste momento, enquanto informa o que procura, é importante que não se pisque os olhos a fim de manter o maior tempo de contato visual possível.
  4. Não sorria enquanto o primeiro contato acontece.
  5. Jamais use palavras que denotem qualquer afeição para com o vendedor. Exemplo: amigo, parceiro, meu rei, bruxo, …
  6. Ao receber a informação do produto desejado, o vendedor, acostumado em suas abordagens pseudo-inócuas, será posto em posição desconfortável: há alguém querendo comprar, mas não há o produto em loja. Ele sequer sabia que tal produto existe. 
  7. Assim que o vendedor esboçar tentativa mínima de retomar o controle das ações, corte-o grosseiramente em meio a sua fala (é importante que não se pule esta etapa e seja grosseiramente), dizendo:  “Vi este produto na internet…” etc etc 
  8. Agora, o vendedor estará na defensiva, tanto pelo corte grosseiro, como também em perceber que não conhece tanto sobre os produtos, que não pode desempenhar bem a função para a qual é pago e que há alguém mais conhecedor dos produtos (mesmo que sejam inventados) do que ele.
  9. Pronto. Tendo sido seguidos de maneira cuidadosa, você estará no controle da situação. Agora, basta complementar: “Ah, que pena não ter o produto! Mas ok, de qualquer forma vou dar uma olhada no que há na loja.” 
  10.  Assim, se estará livre para transitar pela loja, sem ser atacado por qualquer vendedor e ser quase persuadido a comprar algo que não queria. Faça uso de sua liberdade. 
  11. Entretanto, se acaso a loja em que se pretende entrar pertença à elite econômica, lojas que só de passar em frente fica-se mais pobre, e você pertença à camada mais desfavorecida da população, poder-se-á, nestes espaços, entrar e transitar livremente, mexer nos produtos e se espantar com os valores: treinados a enxergar apenas pessoas de verdade, vendedor algum notará a sua presença.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *