Categorias
crônica

Bom dia!

“Bom dia!”, eu lhe digo.

Nada.

As portas do elevador ameaçam se fechar. E eu fico encarando o vizinho, ainda à espera do seu “bom dia”.

Nada. Impaciente, o homem ameaça entrar no elevador antes que eu saia.

Cai a minha ficha. Eu saio. O vizinho entra. As portas enfim se fecham.

Eu saio pela portaria e começo a correr. Enquanto escuto um podcast, fico pensando: qual é a dificuldade de se desejar um bom dia a um vizinho? Ou a qualquer alma viva com que se cruze?

Paro de correr. Desfruto de alguns minutos de caminhada naquele treino intervalado. Cruzo com uma mulher caminhando com seu cachorro.

A não resposta do meu vizinho continua me incomodando.

Eu nem o conheço direito. Sequer sei o seu nome. Não importa se um estranho resolve me ignorar. Não faz a menor diferença.

Volto a correr. A mulher do podcast continua falando pelos fones de ouvido. E eu não estou prestando atenção já faz tempo.

Mas faz a diferença. Por quê?

Ultrapasso um casal de idade. Volto a caminhar.

Talvez porque eu seja educado. Ou porque nem todo mundo é educado, afinal.

Passo na frente do prédio de paredes verdes. Uma mulher está saindo com duas meninas em uniforme escolar azul e com mochilas rosas.

Talvez eu tenha ficado tão chateado porque espero que os outros sejam educados. Ou que se comportem da forma que eu julgo educada, pelo menos.

Contorno a praça e inicio a volta para casa. Começo a correr.

É isso, não? O meu problema é que crio expectativas sobre o comportamento dos outros. Se eu dou bom dia, acho natural que os outros retribuam da mesma maneira. Eu devia é ter pena de mim.

Paro de ouvir o podcast. Se não estou prestando atenção, qual é o sentido? Cruzo com a mulher com suas duas meninas carregando mochilas rosas.

“Bom dia”, uma das duas me diz.

Surpreso, eu paro de correr.

“Bom dia”, eu lhe retribuo.

“Bom dia”, diz a outra menina.

“Bom dia”, diz a mãe apressada.

“Bom dia”, eu retribuo sorrindo.

Volto a correr. E me dou conta de como é bom ser gentil. E de como é gratificante quando se é gentil em troca.

Entro no meu prédio. Chamo o elevador e espero.

Sinto uma pontada de raiva e desejo que o vizinho saia pela porta, cruze comigo e se retrate.

As portas se abrem. Ninguém.

Eu entro e penso: qual é o sentido de tanta raiva? Eu deveria é ter pena do vizinho mal-educado.

2 respostas em “Bom dia!”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *